24/11/2015

Crítica sobre "Phantasm" (1979)



Don Coscarelli, escritor e diretor da franquia havia feito dois filmes antes dessa sua ousada aposta no Terror, ele não foi parar de para-quedas no gênero como muita gente ainda pensa por ai, por ter feito outros filmes antes que não repercutiram quase nada, filmes estes que cá entre nós nem de longe exprimem o talento do então jovem Coscarelli, que hoje é tão respeitado por sua coragem em fazer filmes assustadores. Eu acredito que Don tenha feito um experimento com seus filmes de antes, para aprender sobre o cinema. Adiantou? Sim, muita coisa, tanto é que praticamente todo o elenco do primeiro filme foi reciclado de seus filmes anteriores, foi uma base boa para entender de início como funcionava produzir um filme, mas não foi suficiente também, "Phantasm" foi bem complicado nas execuções, levou quase 1 ano para ser filmado, teve problemas de roteiro, foram feitas cenas alternativas para final e outras cenas, havia pouca grana, e a ajuda de amigos e familiares de Coscarelli foi fundamental, sem isso quem sabe se o filme sequer teria saido... Mas o diretor não decepcionou, mesmo tardando e falhando em termos, mostrou para o que veio, filmou e entregou o filme provando que não estava brincando de fazer cinema.


O problema de não ter se organizado bem antes de ir para trás das câmeras foi que o filme acabou sendo uma confusão nas cenas, durante algumas cenas vemos que o Tall man está de cabelo pequeno, já em outras, parece um pouco maior, isso acontecia muito em filmes que eram feitos com tanto tempo de produção e pouco orçamento, geralmente a função de lembrar do tamanho do cabelo dos atores e seus respectivos personagens ficava sem ter quem lhe ocupasse, mas enfim, o fato de ter ficção no filme pode ter contribuído para terminá-lo de forma satisfatória com um enredo coerente, sem furos de roteiro, apesar de (como toda boa ficção) não entregar todos os pontos. No entanto, a existência do Tall man por si já é carregada de ficção, mas nunca se viu antes essa espécia de gentleman em formato alienígena e mortuário, dirigindo elegantemente seu Cadillac Hearse dos anos 70.
"Phantasm" e o status de 'cult'


A fórmula-base: Independência em fazer uma boa história. Dessa mesma fórmula surgiram os grandes nomes do Terror dos anos 70 e 80, ou grande maioria, entre eles Texas Chainsaw Massacre (feito nove anos antes), e como sempre, o legal de tudo é criar algo novo que ninguém nunca tinha pensado.

Conforme já foi dito várias vezes por muitos fãs, até vindo do elenco de produção da franquia, uma das coisas que mais tornou essa nova forma de Horror atrativa é que decidiram explorar um território novo, "Phantasm" trouxe... Uma boa história intrigante e envolvente, uma boa desenvoltura e que cativou logo os mais jovens da época (história com a qual muitos dos adolescentes dos anos 70 poderiam facilmente se identificar de uma forma ou de outra) com o drama dos irmãos, algo novo o qual ninguém sabia ao certo o que poderia acontecer e o que viria pela frente mas que soava muito bem, fazia a mente das pessoas borbulhar nesse sentido. No mais, o mistério inteligente e macabro que é elemento chave para o sucesso da franquia.

O cenário no qual este primeiro filme surgiu acho que é o que torna ele também especial e amado pelos fãs, tendo sido muito bem disseminado e aceito na Europa em 1980, sorrateiramente foi ganhando espaço pelos fãs de Terror no mundo naqueles tempos, apesar de estar limitado em sua distribuição, por ter nascido de uma produção independente, ele bebeu da fonte de uma originalidade criativa e indiscutível, os personagens foram bem feitos, com bons atores também, alias desde o início personagens que davam abertura para maior exploração em possíveis filmes sequentes, e foi o que aconteceu, cada um deles com sua forma de evoluir e torna-se mais interessante e bem emblemático, acima de tudo, o próprio Tall man, que a cada filme nota-se que toma maior e maior proporção, chegando cada vez mais perto de seu objetivo quase satânico de roubar, matar e destruir, mas com uma pitadinha a mais de mortos-anões.

Bom, o final do primeiro filme é uma grande deixa para sua continuação, continuação esta que só ganhou produção nove anos mais tarde, de forma bem mais planejada e estruturada, se tornando sem questões, o melhor Phantasm já filmado, em termos de nível de produção.

A forma tenebrosa do filme de ser


Uma coisa que parece nunca cansar é como vemos a morte em Phantasm, nunca antes a morte se vestiu tão bem, charmosamente e tão paciente em fazer suas vítimas. O monstro do filme, tall man é a grande marca que torna estes filmes interessantes, Reggie Bannister é estiloso, Michael Baldwin é legal, mas nada se compara ao Tall man, e por sua vez, Angus Scrimm, felizmente essa foi a escolha de Don Coscarelli para o papel do filme, ele se enquadrou com incrível perfeição, um ser, do qual ninguém sabe muito bem dizer o que é, mas que age sorrateiramente, premeditadamente e ao mesmo tempo lentamente, bem como um morto-vivo qualquer. De início ele chama atenção por tudo o que é, mas depois do segundo filme acredito eu que o que passe a cativar mais o espectador é o que ele não é, ou por outro lado, quem era ele, ou o que, ou porque, e como bom centro do Phantasm que ele é, os personagens de apoio terão no mínimo bastante curiosidade em explorar a sua história.

Nem sempre explicar por completo trás algo satisfatório, tem que ter muito cuidado nesse assunto, ainda mais o Tall man que é um personagem interessantemente circundado pelo mistério, quem sabe sem isso se seria o mesmo...

A simplicidade do primeiro filme é outro fator em comum que pode agradar facilmente a qualquer espectador, neste primeiro é Mike, nessa característica é o que comanda, já nos dois filmes sequentes essa característica fica por conta de Reggie, ele é o personagem que nos conecta ao filme, ao mistério e nos apresenta todo o caminho, já no quarto filme há um meio-termo entre ambos, mas debanda mais para o lado do Reggie, já que por toda sua trajetória uma das maiores coisas é a lealdade de Reggie ao amigo, até que ponto ele se sacrificaria pelo amigo? Foi mal, aí só assistindo para saber.
Fotografia 'arcaica'
Muita gente gosta do primeiro filme por causa de sua Fotografia além de tudo mais, o filme original também causou muita nostalgia em meados de 80 e 90, o que certamente pode trazer poucas e boas memórias, mas não há dúvidas quanto ao primeiro ser o queridinho dentre os fãs, ele tem todo o drama familiar dos irmãos Mike e Jody.
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário